Vídeos para o despertar



Get the Flash Player to see this player.

Participação



r0314 - Danças sagradas, cantos, lendas e mitos da Amazônia Imprimir E-mail
Avaliação do Usuário: / 12
PiorMelhor 
Eventos - Desenvolvimento humano
Escrito por LuaEstrela   

Danças Sagradas, Cantos, Lendas e Mitos da Amazônia. c/ Déa S. Melo*   Março 2008, dias 14, 15 e 16

 Retiro Rosa de Nazaré

  Convidamos corpo e alma, a expressar movimentos ancestrais que formam o povo brasileiro – indígenas, negros e europeus. Mais do que falar da Amazônia é preciso viver, contar, cantar e dançar suas verdades em lendas, mitos, mistérios...e entãodescobrir  interiormente, por quê é tão necessário preservá-la 

Déa S Melo – Paraense; Comunicadora Social, Pesquisadora das Danças Sagradas e Tradições da Amazônia, há vários anos; Focalizadora de Danças Circulares Sagradas; Co-criadora e Coordenadora Geral da ONG Mana-Maní Círculo Aberto de Comunicação, Educação e Cultura, atuando na Amazônia há quase seis anos.

 Local

Retiro Rosa de  Nazaré

(a 110 km de São Paulo, prox. a cidade de Nazaré Paulista - Km 39 da Rodovia D.Pedro I)(www.rosadenazare.org.br ) 

Horários

De sexta 14 as 19:30

 até domingo 16 as 15:00  

Acomodação:Em quartos de três-quatro lugares ou casa coletiva  

Inscrição e informaçoes

 Maria Rosa à 11 3644 7141 / 8193-7871

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.  ou Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

 

Danças Sagradas e Tradições da Amazônia

Uma Descoberta de Corpo e Alma

                                                                                                                                                                                                     Texto: Déa S Melo 

Dançar a Amazônia é dançar a essência da alma brasileira. Na região, apesar dos imensos desafios provenientes da “globalização etnocêntrica”, ainda há uma forte e variada presença de povos tradicionais como indígenas, quilombolas (remanescentes de quilombos) e ribeirinhos, detentores de saberes e tecnologias milenares, cada vez mais necessárias para a sociedade atual.

 

A mistura dos povos na Amazônia, faz com que a região seja uma grande referência não só para o Brasil, como para o mundo, por ser detentora da maior diversidade biológica, genética e cultural do planeta. Mas, como lidamos ou nos apropriamos disso no cotidiano da vida pessoal e coletiva?     

 

Observamos nas danças tradicionais nascidas da mistura entre indígenas, africanos e europeus - a força dos pés no chão; a alegria e a generosidade que nascem do movimento redondo e fluido da pélvis, o famoso “jogo de cintura”; a sincronicidade e a fluidez entre mãos (o fazer) e pés (os passos a dar) livres, vibrantes, porém harmônicos e coerentes; as diversas articulações que se integram e mobilizam  os princípios feminino e masculino.  Pura manifestação da Criatividade! Estamos falando de qualidades, conquistas, valores e consciência acessíveis com a prática das Danças Circulares Sagradas da Amazônia.

 

Impregnada de floreta e água doce, a Amazônia, manifesta nessas danças, a expressão viva de uma ancestralidade em movimentos, cantos, ritmos, histórias, lendas e mitos, que são um verdadeiro chamado para o cuidado, não só com a riqueza material e imaterial desse “canto” (como se diz por aqui, com referência a um lugar) do mundo, mas especialmente do próprio coração, morada do Corpo e Alma e que dá sentido à VIDA.

                                                                                                                                                                            *Foto: Déa S Melo          Danças Circulares na Comunidade Quilombola Murumuru, Município de Santarém/Pa. - Outubro 2007

"Meu povo ainda vive nesta terra há muito tempo, desde o tempo em que o mundo ainda
não tinha a forma de hoje. Os povos da floresta guardam a memória da criação do
mundo, dos princípios fundamentais da vida. Sentimos que temos de impedir que a
civilização ofenda a natureza.

Todos nós temos a lembrança do dia em que o mundo cuidava de todas as pessoas -
alimentado, velando, fazendo-nos dormir com as canções dos pássaros, dos rios, das
cachoeiras e das florestas. Cada estação nos ensinava que existe um tempo certo para
cada atividade. Queremos mostrar ao povo das cidades que é possível à raça humana
alcançar a sua aventura com a natureza ainda viva. Queremos construir nos corações
das pessoas das cidades uma bela floresta, feita de amizade, música e festa. Então,
poderemos pacificar o seu espírito, para que possam conviver com os povos das
floresta. Esta é a nossa mensagem."



(Depoimento do indígena Ailton Krenak, presidente da Aliança dos Povos da Floresta,
para o livro"Save the Earth").



É neste universo de saberes, de consciência e de cura que as Danças Sagradas da
Amazônia fazem movimentar nossa existência.

Entre rios e floresta, entre lendas e cantos, os ecossistemas amazônicos - o corpo
da Mãe-Terra, "falam"  ao nosso corpo, despertam ritmos e harmonias adormecidas ou
talvez esquecidas, num encontro alegre e ao mesmo tempo íntimo com nossa alma
indígena -africana-européia.



Te convido a saborear e se nutrir com essa Amazônia que o Brasil e o mundo não mostram!!



Data: 14 a 16 de Março/2008
            De 14 as 19:30 a domingo as 15:00


Local: Retiro Rosa de Nazaré - a 110 km de São Paulo, prox. a cidade de Nazaré
Paulista - Km 39 da Rodovia D.Pedro I) // (www.rosadenazare.org.br )



Informações e Inscrições: Maria Rosa à 11 3644 7141 / 8193-7871

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. ou Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.



*****************************************************************************

Focalizadora: Déa S Melo - Paraense; Comunicadora Social, Pesquisadora das Danças
Sagradas e Tradições da Amazônia, há vários anos; Focalizadora de Danças Circulares Sagradas;Desenvolve um trabalho de uma abordagem de Comunicação Criativa, relacionando corpo, ambiente e espiritualidade; Co-criadora e Coordenadora Geral da
ONG Mana-Maní Círculo Aberto de Comunicação, Educação e Cultura
(www.manamani.org.br), atuando na Amazônia há quase seis anos.

 

 
Banner